Buscar
  • Ana Ribeiro

"PSICANÁLISE COM CRIANÇAS" - O DESAFIO DOS PSICANALISTAS





Diversos Psicanalistas desistem de atender crianças por que não se adaptam as especificidades da psicanálise infantil ou porque acham difícil atender crianças. Como a criança se comporta quando chega no consultório psicoterápico? Muitas não sabem nem o que estão fazendo lá, entram na sala e, se sentam ou avistam algum brinquedo e já partem para brincar. E agora o que fazer? Claro que ela não vai responder qual o motivo que a levou ao consultório, como também não sabe, no que consiste um tratamento psicoterápico e muito menos o que está fazendo ali. Mesmo que os pais a comuniquem que está levando ela para Análise para que ela fique melhor, pare de fazer xixi na cama, pare de sentir medo, ou algum outro sofrimento, ela não tem noção do que seja um tratamento. O Analista inicia o trabalho de adaptar a Psicanálise para o atendimento infantil. Captar o inconsciente da criança, é a premissa da Psicanálise, mas como isso se dá? Como captar o inconsciente de uma criança que não teve experiências suficientes que produziram algum tipo de recalque. O brincar, desenhos, testes, jogos e etc. são ferramentas utilizadas e nos casos mais graves são solicitados encaminhamentos para profissionais da área da saúde para diagnóstico de possíveis psicopatologias, como o psiquiatra infantil, o fonoaudiólogo, neurologista etc., prosseguindo com a análise. É necessário compreender como dominar as técnicas da Analise Infantil através de cursos de formação de Psicanálise com Crianças. Os conteúdos que as crianças trazem, a forma com que brincam, desenham e jogam são interpretados e transformados nas associações livres dos adultos. Com o domínio dessas técnicas, consegue-se captar o inconsciente da criança e compreender que a criança brinca e se comporta daquilo que ela vive e que ela sofre da dinâmica familiar.



ANA RIBEIRO COELHO DA SILVA

Psicóloga/Psicanalista - CRP 06/118967



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo